Categoria De Mãe pra Mãe

Comemorar é preciso!

“Navegar é preciso, viver não é preciso”, diria Fernando Pessoa. Mas eu diria que comemorar é preciso e viver é obrigatório. Especialmente se você tem saúde. Se tem família. Se tem amigos. Comida na mesa todo dia. Roupa para vestir. Casa pra se abrigar do sol, do frio e da chuva. Você, assim como eu, tem tudo isso? Então, leitor querido, você faz parte de uma minoria que não tem

Continue lendo…

Entendedores entenderão meu orgulho

Hoje estive na classe da Maitê para assistí-la concluir um trabalho. Durante meses ela e os colegas se empenharam em fazer livros de verdade, com textos e ilustrações. Hoje era o dia de ler o livro em frente aos pais. Nem todo mundo entende o que se passa na cabeça e no coração de uma mãe num momento como esse. Mas, tenho certeza, entendedores entenderão meu orgulho! Olhar aquela menininha

Continue lendo…

Escrever é coisa do passado?

Todo dia pelo menos uma pessoa me diz: adoro seu blog. Coincidentemente no mesmo dia, no costumo ouvir: “porque você não vídeos? Escrever é coisa do passado”.  Será? Será mesmo que o mundo vai se tornar esse lugar chato onde, assim como as revistas, livros vão morrer? Será que as pessoas vão mesmo perder a vontade de escrever porque os outros não tem vontade de ler? E, assim, num futuro

Continue lendo…

Xuxa: idade é problema?

Vi na internet uma discussão recente sobre a idade da Xuxa e resolvi entrar no tema. Tenho 43 anos. Em maio completo 44. E não tenho NENHUM problema em assumir a idade, assim como ela. Muito pelo contrário. Gosto de dizer a minha idade e ouvir: “não parece”. Claro que parece. Tenho ruguinhas, milhões de cabelos brancos. Mas a questão é que não estou nem aí. Pra mim beleza é

Continue lendo…

Meu momento está chegando!

Acabo de me deparar com um desafio proposto pela Revista Crescer chamado meu momento. No instagram eles provocaram as mulheres com um texto que faz pensar. “Não é porque teve um filho, que seu papel se resume ao de mãe”. E eles continuam… “É preciso colocar seus desejos na frente de vez em quando e se permitir um momento para viajar, fazer um curso, olhar no espelho, se amar, passar

Continue lendo…

Papai Noel é de verdade!!

Li em algum lugar outro dia que, a partir dos 8 anos, as crianças começam a desconfiar da existência do Papai Noel. Nina tem oito anos e meio (faz 9 em junho). E, pelo menos até agora, acha que o Papai Noel é de verdade! Mas será que essa linda fantasia está com os dias contados? Fico triste só de pensar no assunto. Primeiro porque sou a fã número um

Continue lendo…

Pais: têm que participar!

Não basta ser pais, têm que participar. Desde que tive filho essa frase, que originalmente era no singular (no comercial da Gelol, alguém lembra?), se mostrou uma super verdade! Na minha opinião não basta levar no playground se você não escorrega junto, não brinca na balança. Não adianta levar na praia se não brincar de baldinho na areia e nem pegar jacaré. Não adianta levar no cinema pra ver o

Continue lendo…

Mães ganham menos no Brasil

Sim, você leu certo. No Brasil mães ganham menos do que outras mulheres. E mais. Quanto mais filhos elas têm, menor é o salário que ganham. E a diferença não é pequena: uma brasileira com três ou ou mais filhos recebe até 40% menos que uma colega que não é mãe. Mães e o salário Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, do IBGE, e foram compilados

Continue lendo…

Teste do Olhinho: essencial!

Você sabia que 80% das doenças oftalmológicas podem ser tratadas e evitadas se houver diagnóstico precoce? Sim, assim como o teste do pezinho o teste do olhinho é essencial para o desenvolvimento não apenas da visão. E também para a evolução motora das crianças. Teste do Olhinho De acordo com o Dr. Marcelo Cavalcante Costa, oftalmologista da UTI Neonatal do São Luiz Itaim podem ocorrer doenças graves nos olhos de

Continue lendo…

Filhos nem sempre vão bem na escola. E isso dói.

Quando a gente sonha em ter filhos imaginamos tudo. A cor dos cabelos. Dos olhos. A voz. O talento pro futebol, que poderia puxar do pai. O dom pros instrumentos musicais, que seria influência do avô. A desenvoltura, que viria da mãe. Mas eu, pelo menos, nunca tinha pensado em como minhas filhas iriam na escola. Se seriam boas ou más alunas. Se tirariam a matemática de letra. Ou se

Continue lendo…