Categoria Diário da Família

Volta às aulas on line e as perdas

É hora de falar de volta às aulas. Mas, antes de tudo, quero falar de perdas. Em 2020 perdemos muita coisa. Perdemos amigos, parentes, conhecidos, pessoas que a gente admirava. Ficamos sem a convivência com os outros. Alguns perderam seus empregos. Todos perdemos o sossego. As crianças perderam ainda mais, na minha opinião. E não estou falando aqui de perder matéria. De perder o ano letivo. Estou falando de coisas

Continue lendo…

Acampamento pode ser luxuoso?

Não sou muito fã de acampamento. Gosto de conforto, ar condicionado. Curto cama grande, lençol limpinho. Não gosto de dividir banheiro com um monte de gente. Por isso, sempre fugi desse tipo de aventura. Até conhecer o glamping: mistura das palavras glamorous e camping. Ou seja, o glamping nada mais é do que um camping de luxo. É uma espécie de acampamento, só que com total conforto e infraestrutura. Pesquisei

Continue lendo…

Redes sociais são o mal da humanidade?

Eu adoro usar a redes sociais mas, ultimamente, ando com preguiça. Antes de postar algo no meu perfil penso mil e uma vezes. Não acho que tenha que ser assim. Mas, como eu disse, ultimamente tem sido. E por quê? Porque eu nunca vi tanta gente problemática num único “lugar”como acontece no Instagram, no Facebook e no Twitter. Está aí mais um motivo de eu questionar liberar minhas filhas para

Continue lendo…

Bulldog Francês: nosso novo amor

Eu achava que ainda não estava pronta para amar de novo. Que as feridas eram muito recentes. Que não queria um cachorro tão cedo. Até que, no fim de semana, peguei no colo uma bulldog francês de dois meses. No instante em que isso aconteceu foi automático: me apaixonei perdidamente por aquela carinha metade branca, metade preta. Por aquele focinho minúsculo. Pelo corpinho compacto e o andar desengonçado. Me desculpe

Continue lendo…

Planejamento e a mudança de país

Se eu pudesse resumir o que é preciso para mudar de país eu diria, sem pestanejar: planejamento. Essa palavrinha simples tem um poder enorme. Quem a ignora corre o risco de não conseguir se adaptar no novo país. Ou porque não arruma trabalho na área que gostaria. Ou porque não consegue se adaptar onde escolheu morar. Ou porque não consegue os documentos para poder trabalhar. Ou porque a reserva acaba

Continue lendo…

Dia de furacão é dia estranho

As escolas suspenderam as aulas. Os escritórios vão fechar mais cedo. Há a expectativa de ser decretado curfew (quando as pessoas não podem sair na rua em determinado horário). Ou seja: hoje é dia de furacão. Que dia estranho. O céu está bonito no momento. Tanto que a gente quase esquece que a previsão hoje a noite é de chuva forte com ventos violentos. Como moro em Windermere teoricamente estou

Continue lendo…

Furacão: sempre dá medo!

Moro nos Estados Unidos há quatro anos. Em 2016 passei pelo furacão Matthew. Em 2017 pelo Irma. Em 2018 pelo Florence. E esse ano estamos aqui esperando o Dorian chegar. Estranho falar assim mas é exatamente isso que a gente faz enquanto o furacão não chega. Além claro de comprar água, vela, pilha, comida…e de rezar! Furacão: sempre dá medo! Todos os anos foi a mesma coisa. A gente não deu

Continue lendo…

Filha peluda, que falta eu sinto!

Há quase um mês minha filha peluda partiu. Minha filha mais velha. Minha Mauí. Convivemos por quase 17 anos. E, de repente, ela não está mais aqui…que falta eu sinto! Na verdade não foi assim tão de repente. Afinal dezessete anos na vida de um cachorro é muita coisa. E põe coisa nisso. Nesse período ela mudou de casa comigo milhares de vezes. De cidade. De país. Me viu namorar.

Continue lendo…

Turista no próprio país

Amanhã minha família e eu vamos para o Brasil. Passear. Rever a família e os amigos. E, juro, não tem nada mais estranho do que ser turista no próprio país. Pois é assim que eu me sinto. Estranho, né? Moramos nos Estados Unidos há quatro anos. Vou muito ao Brasil desde então. No primeiro ano fui mais do que uma vez por mês. Só no segundo semestre desse ano vou

Continue lendo…

Familia é tudo de bom!

Deixar minha família no Brasil foi a parte mais difícil da minha mudança quatro anos atrás. Esqueça a saudade de casa. De lugares. De comida. E até de amigos…é da família direta (pai, mãe e irmãos) que a gente sente mais falta. Sem eles falta colo. Falta aconchego. Falta alguém – que conhece a gente como ninguém – para desabafar. Falta uma parte da gente. Por isso mesmo quando mudei

Continue lendo…